sexta-feira, 21 de novembro de 2014

CAPÍTULO 2

2 – Minha primeira Copa do Mundo

Eu morava em uma rua da zona leste bem animada, num bairro chamado Cangaíba e nesta casa moravam oito pessoas, entre elas minha avó, duas tias, minha mãe e meus três irmãos. Era um tristeza total pois não podíamos fazer barulho algum, pois certamente ouviríamos gritos das minhas tias e os maiores palavrões daqueles que alguém poderia ouvir e isso doía muito e mesmo eu não conhecendo muito de Deus já não gostava deste tipo de palavras pesadas que eram normais na minha casa. O ano de 1994 foi o não em foi realizada a Copa do Mundo nos Estados Unidos e recordo bem deste ano pois foi minha primeira copa. Amei a idéia de pintar as ruas, guias, bagunças nas casas, fazer balão, bandeiras, comemorar cada gol nas ruas e gritando muito, chorar com os gols, jogar bola na chuva sem ficar doente após os jogos do Brasil. Ah como eu amei aquele ano, mesmo com tantos problemas já na infância e eu ainda sorria mesmo que fosse um sorriso temporário eu ainda sim eu sorria pois o mundo não acabaria ali. Me lembro bem de cada jogo do Brasil, vários gols do Romário, Bebeto, Branco e isto era uma emoção tamanha e somente um louco na minha idade não teria coragem de não curtir aquele momento. Foram dias e dias de felicidades no nosso Brasil mesmo em meio a tantos problemas como a Aids, drogas, racismo, preconceitos, latrocínios e mortes, o Brasil naquele momento esquecia os problemas um pouco e parava para ver a nossa seleção brasileira jogar e caro leitor eu tive o privilégio de ver meu País jogando e eu pude gritar naquele ano: É Tetra Campeão!!!, É Tetra Campeão!!!.
Como eu era um jovem apaixonado pelo Futebol, a copa do mundo estava sendo o ápice de alegria de um adolescente que sonhava em ser jogador de futebol um dia, mas Deus tinha outros planos pra mim do qual eu não entendia naquele momento. Deus nos ama tanto e quer dar-nos o melhor, e saiba que o melhor mesmo, vem do nosso Senhor Jesus, amém.
O tempo passou, fui ficando mais velho e me achando um homenzinho, afinal eu já tinha 14 anos de idade e já não era uma criança mais, pois além do futebol eu gostava muito de dançar e na minha escola se destacava quem dançava e pra minha felicidade estava no auge um som chamado Rap. Era um som diferente para nós pré Adolescentes e naquele tempo festa era o que não faltava, meninas, bebidas, cigarro e porque não as drogas. Os sábados a noite era sagrado para sairmos, sempre havia alguma balada básica em alguma casa para todos os rapazes daquela época com quem eu andava e eu certamente não perdia nenhuma. Mesmo após muitos convites para usar drogas com meus amigos eu não cheguei a usar e lógico que eu não fumava e nem bebia mas muitos dos meus amigos caíram nessa logo cedo.
Como o Rap já fazia parte da minha vida me aventurei também na onda do Skate, mas confesso que não fui muito feliz nesta opção não, creio que não nasci para isso e para andar naquilo tinha de ser bom além de ter muito equilíbrio. Naquela época eles usavam aquelas calças abaixo da cintura e como eu sempre fui magro parecia que eu havia ganhado a roupa de alguém que havia falecido pois ela dava três do meu corpo franzino.
Meu irmão mais velho chamado João tinha tudo para dar certo nesta carreira de skate, mas infelizmente as suas más amizades o levaram para o uso de drogas logo cedo e infelizmente para muitos este caminho não tem outro sentido a não ser a prisão ou morte.
A minha adolescência fora marcada por momentos bons e ruins. As lembranças ruins ainda tentam interferir na minha vida afinal há uma briga constante dentro de nós, mas prefiro me lembrar das boas.
Os meus tios trabalhavam no IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e todo ano o estádio Paulo Machado de Carvalho mais conhecido como Pacaembu era emprestado nas férias para que todos os funcionários do IBGE pudessem ir jogar bola, fazer churrasco e conhecer o estádio e nesta época eu era santista roxo logicamente influenciado pelo meu tio Bene desde criança para poder torcer pelo Santos.
Ao chegar ao estádio logo pela manhã, fiquei sabendo que às 16:00 iria ter treino do Santos e eu era fã do jogador chamado Giovanni que era literalmente um craque de bola e meu sonho era conhecê-lo. Eu aderi tanto ao fanatismo pelo jogador Giovanni que ele chegou a pintar o cabelo de vermelho durante alguns jogos e eu decidi fazer igual mesmo sabendo que o dele era com papel crepom e que sairia com banho e eu decidi fazer a loucura de um fã mesmo sabendo das gozações que haveriam de vir. Logicamente que na escola me colocaram os piores apelidos e piadas possíveis, me chamavam de curupira, índio, o tecladista dos Mamomas Assassinas entre outros. Por volta das dez da manhã fomos para o vestiário para podermos colocar o uniforme e mesmo que não jogasse eu estaria feliz pois só o fato de estar pisando no gramado onde grandes estrelas do futebol pisaram, para mim aquilo seria o máximo. Olha até onde vai a ingenuidade de um adolescente sonhador, eu ali imaginando que grandes feras jogaram futebol naquele campo nem me atentei que umas das maiores figuras do futebol do mundo estava ali do meu lado o tempo todo conversando comigo, era ele: Ademir da Guia. O maior lateral esquerdo que o time do Palmeiras já teve e um dos melhores laterais do mundo e se não fosse meu tio Nivaldo para chegar até onde eu estava e perguntar se eu sabia com quem eu estava conversando eu nem imaginaria que um craque de futebol estava tão perto de mim. A partir daquele momento eu não sei se eu sorria, se eu chorava, se eu pulava ou se dava um grande abraço num dos maiores mestres do futebol. Hoje me lembro feliz porque pude realizar o sonho do conhecer umas das maiores feras do futebol.
O dia estava perfeito mas ainda faltava algo e naquele dia o time do Santos ainda iria treinar e eu iria poder ver de pertinho o meu ídolo Giovanni, mas, como felicidade de pobre dura pouco não pude realizar este grande sonho naquele dia pois minha tia começou a passar mal e ai tivemos de voltar de lá mais cedo e quando estávamos saindo do estádio eis que surge o ônibus do time do Santos chegando e o que eu mais queria naquele dia estava passando pelo vão das minhas mãos e não pude neste dia realizar meu sonho que era de conhecer o jogador Giovanni.
No dia seguinte eu estava assistindo televisão em casa quando eu ouvi a reportagem contando que o craque Giovanni não pode treinar no sábado a tarde pois ele estava muito gripado e o técnico Cabralzinho decidiu poupá-lo para o dia seguinte. A pior parte da reportagem foi quando disseram que ele não treinou e ficou dando autógrafos para todos que estavam ali junto comigo horas depois da minha partida. O time do Santos estava na semi Final do Campeonato Brasileiro e enfrentaria o time do Fluminense no dia seguinte e ele queria o Giovanni 100%, afinal ele era 60% do time do Santos e um jogador daquele nível era peça fundamental para toda e qualquer partida de futebol, imagine numa decisão final de campeonato.
O time do Santos passou pelo time do Fluminense com dois gols do Giovanni e quando foi para a Final contra o time do Botafogo perdeu o campeonato graças a uma péssima arbitragem que não anulou um gol ilegal do centro avante Túlio Maravilha e o Botafogo comemorou o Titulo de Campeão Brasileiro de 1995.

Momentos de felicidades como estes não deixaram eu ir para uma vida de drogas ou roubos pois eu acreditava no fundo do coração que no momento certo iria chegar minha hora de ser feliz pois eu apenas vivia momentos e não uma felicidade genuína; no entanto eu simplesmente sorria mas não era feliz. Eu sabia desde cedo que Deus tinha um plano em minha vida e que cuidava de mim como uma mãe cuida de seu filho e hoje aqui estou para relatar o que Deus tem feito em minha vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário